Fabricante de pesticida enfrenta justiça por casos de Parkinson

Fabricante de pesticida enfrenta justiça por casos de Parkinson
photo_2023-04-04_18-01-39

A empresa britânica Sygenta enfrenta ações judiciais por causa de um pesticida chamado Paraquat, por suposta relação com casos de Parkinson. No capítulo mais recente dessa história, a fabricante admitiu que durante os estudos para definir se havia relação com a condição, não checou se algum ex-trabalhador tinha a doença, apenas analisou causas de morte de seus ex-funcionários.

Estudo revela quais neurônios morrem durante doença de Parkinson Folhas de café podem ajudar no tratamento contra Parkinson

Como desdobramento do caso, a Charity Parkinson’s UK (uma instituição de caridade de pesquisa e apoio à doença de Parkinson no Reino Unido) ressalta a necessidade de pesquisas mais robustas e independentes sobre qualquer ligação entre pesticidas —  o que inclui o paraquat  — e a doença de Parkinson.

Ação judicial contra fabricante de pesticida

A ação judicial teve início com o agricultor Larry Wyles, de 80 anos, que utilizou o pesticida em suas terras por mais de 20 anos. Ele foi diagnosticado com Parkinson em 2002, e defende que a empresa em questão deveria ser proibida de fabricar o pesticida.


CT no Flipboard: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.

A ação contou com o apoio de Julie Plumley, cujo pai era fazendeiro, também usava Paraquat e desenvolveu Parkinson ao longo dos anos.

Estudo sobre pesticida e Parkinson

Para escapar das acusações, a Syngenta conduziu um estudo com os  trabalhadores envolvidos na fabricação de Paraquat. O acompanhamento se concentrou em dados de 2011 e 2021, e levou em consideração as causas de morte registradas nas certidões de óbito dos ex-funcionários.

Com base nessas informações, a empresa defendeu que não houve relação entre a substância produzida e o desenvolvimento de Parkinson, concluindo que não apresentou “nenhum risco aumentado de desenvolver a doença de Parkinson na força de trabalho que fabricou o Paraquat”.

Empresa enfrenta ações judiciais por supostos casos de Parkinson ligados a pesticida (Imagem: twenty20photos/Envato)

Ao The Guardian, um porta-voz da empresa enviou uma nota que diz o seguinte: “Nós nos preocupamos profundamente com a saúde e o bem-estar dos agricultores e estamos empenhados em fornecer produtos seguros e eficazes. Como empresa responsável, gastamos milhões de dólares testando nossos produtos para torná-los seguros para o uso pretendido.”

A Syngenta se defende ao dizer que nenhum estudo “estabeleceu uma ligação causal entre o Paraquat e a doença de Parkinson”, mas uma pesquisa mencionada no livro Ending Parkinson’s Disease (2020) sugere que o Paraquat aumenta o risco de Parkinson em 150%.

Um relatório publicado no Jornal da USP ressalta que o aumento do surgimento de Parkinson não está associado à exposição a altas doses, mas à exposição crônica em baixas doses.

Paraquat é proibido no Brasil

O material da USP relembra que o uso do pesticida Paraquat já é proibido em mais de 30 países, incluindo o Brasil: a substância foi proibida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em 2017. 

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Falhas mostram que placa tectônica do Pacífico está rachando Forte explosão solar causa apagão de rádio na América do Sul Asteroide descoberto há 3 dias passou perto da Terra nesta segunda (12) Por que as montadoras de carros voltaram investir tanto no Brasil? Empresa lança SSDs M.2 SCSI para sistemas antigos Por que Thanos virou um jeca rural depois de usar a Manopla do Infinito?  

Posted in ,
bannerrsm

photo_2023-04-04_18-00-57
Rolar para cima
× Como posso te ajudar?