Estilo de vida saudável contribui para combater a demência, diz pesquisa

Estilo de vida saudável contribui para combater a demência, diz pesquisa
photo_2023-04-04_18-01-39

[[{“value”:”

Viver um estilo de vida com foco em uma dieta nutritiva, exercícios regulares, consumo mínimo de álcool e outros hábitos saudáveis ​​pode ajudar a manter seu cérebro afiado na velhice, dizem os médicos.

Mas e se o seu cérebro já apresentar sinais de beta amiloide ou tau, dois dos marcadores característicos da doença de Alzheimer e de outras patologias cerebrais? Um estilo de vida saudável ainda te protegerá do declínio cognitivo?

A resposta é sim, de acordo com uma investigação observacional que examinou os cérebros de 586 pessoas durante autópsias e comparou os resultados com até 24 anos de dados sobre os seus estilos de vida.

Leia Mais

AVC pode aumentar o risco de demência em até 80%, aponta estudo

Vale a pena trocar o suco natural por refrigerante zero para emagrecer? Entenda

Melhora da aptidão física reduz chance de desenvolver câncer de próstata em 35%

“Descobrimos que a associação estilo de vida-cognição acontecia independente da carga patológica da doença de Alzheimer, sugerindo que um estilo de vida [saudável] pode proporcionar benefícios cognitivos mesmo para pessoas que começaram a acumular patologias relacionadas com a demência nos seus cérebros”, diz o autor principal do estudo, Klodian Dhana, professor assistente de geriatria e medicina paliativa no Rush Institute for Healthy Aging, em Chicago, por e-mail.

Em outras palavras, o estudo descobriu que a presença de Alzheimer ou outro distúrbio neurológico “não parecia importar – as mudanças no estilo de vida proporcionaram resiliência ao cérebro contra algumas das causas mais comuns de demência”, diz Richard Isaacson, diretor de pesquisa no Instituto de Doenças Neurodegenerativas da Flórida, nos Estados Unidos.

“É como um videogame em que você atira em monstros”, disse Isaacson, que não esteve envolvido no estudo. “A arma – as mudanças no estilo de vida – foi capaz de derrotar fantasmas, ghouls, goblins, vampiros e zumbis.”

Cinco hábitos saudáveis ​​foram rastreados

Para o estudo, foram realizadas autópsias em 586 pessoas que viviam em comunidades de aposentados, residências para idosos e residências individuais na área de Chicago e que participaram do Rush Memory and Aging Project entre 1997 e 2022. Os participantes, que viveram até uma idade média de 91 anos, passaram por testes cognitivos e físicos regulares e preencheram questionários anuais sobre seus estilos de vida por mais de duas décadas antes de morrerem.

As pessoas no estudo foram categorizadas como vivendo um estilo de vida saudável ou de baixo risco se obtivessem notas máximas em cinco categorias diferentes: não fumar; praticar exercícios moderados a vigorosos por pelo menos 150 minutos por semana; manter o consumo de álcool em cerca de um drinque por dia para as mulheres e dois para os homens; e estimular regularmente o cérebro lendo, visitando museus e jogando jogos como cartas, damas, palavras cruzadas ou quebra-cabeças.

A quinta categoria mediu o quão bem eles seguiram a Intervenção da Dieta Mediterrânea-DASH para Retardo Neurodegenerativo ou dieta MIND. Desenvolvida em 2015 por pesquisadores da Rush University, em Chicago, a dieta MIND incorpora grande parte da dieta mediterrânea baseada em vegetais, que se concentra em frutas, vegetais, grãos integrais, feijões, sementes, nozes e muito azeite extra-virgem. Carne vermelha e doces raramente são consumidos, mas o peixe, que contém ácidos graxos ômega-3 benéficos para sua saúde, é um alimento básico.

A dieta MIND também assimila elementos da dieta DASH (significa “abordagem dietética para parar a hipertensão”, em tradução livre do inglês). A dieta DASH concentra-se na redução da pressão arterial e do colesterol, o que pode levar a ataques cardíacos, derrames e constrição de pequenos vasos sanguíneos que podem levar à demência. A dieta DASH padrão limita o sal a 2.300 miligramas por dia, menos de uma colher de chá de sal de cozinha.

O uso de autópsias foi único

A equipe de estudo comparou os dados de estilo de vida com várias medidas de patologia no cérebro, incluindo níveis de beta-amilóide, emaranhados de tau e sinais de danos cerebrais vasculares ou lesões nos pequenos vasos sanguíneos do cérebro que ocorrem devido à pressão alta, doenças cardíacas e diabetes.

Nem todas as pessoas que apresentam sinais de Alzheimer ou demência vascular desenvolvem problemas cognitivos, mas muitas acabam desenvolvendo.

Os pesquisadores também mediram marcadores de três outras doenças cerebrais, incluindo epilepsia resistente a medicamentos, degeneração frontotemporal e demência por corpos de Lewy, um distúrbio neurológico que pode criar problemas de comportamento, humor, movimento e cognição.

A pesquisa, publicada segunda-feira (5) na revista JAMA Neurology, “é uma das primeiras a aproveitar a patologia cerebral” de autópsias para investigar a ligação entre fatores de risco modificáveis ​​e declínio cognitivo, escreveram os professores Yue Leng e a Dra. Kristine Yaffe, em editorial.

Yaffe, que não esteve envolvida no estudo, é professora de psiquiatria, neurologia e epidemiologia no Instituto Weill de Neurociências da Universidade da Califórnia, em São Francisco. Leng, que também não participou do estudo, é professora associada de psiquiatria na mesma instituição.

Para cada aumento de 1 ponto na pontuação de estilo de vida saudável usada no estudo, houve 0,120 unidades a menos de carga de beta-amilóide no cérebro e uma pontuação 0,22 unidade padronizada a mais no desempenho cognitivo, que foi medida por um teste de cerca de 30 itens que examinou atenção, memória, linguagem e habilidades visuoespaciais.

Os benefícios cognitivos permaneceram independentemente da existência de qualquer um dos cinco tipos de condições neurológicas. Na verdade, “uma pontuação mais elevada em um estilo de vida saudável foi associada a uma melhor cognição, mesmo depois de contabilizada a carga combinada de patologias cerebrais”, de acordo com Yaffe e Leng.

Mais de 88% da pontuação global de cognição de uma pessoa era uma “associação direta ao estilo de vida”, disseram eles, deixando pouco menos de 12% afetados pela presença de beta-amilóide.

Como estudo observacional, não é possível provar causa e efeito diretos, disseram Yaffe e Leng. No entanto, o estudo é “um passo importante” na compreensão das formas como as pessoas podem modificar as suas vidas para reduzir o risco da doença de Alzheimer e de outros tipos de demência.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Estilo de vida saudável contribui para combater a demência, diz pesquisa no site CNN Brasil.

“}]] 

Posted in ,
bannerrsm

photo_2023-04-04_18-00-57
Rolar para cima
× Como posso te ajudar?