Enormes montanhas submarinas são achadas por anomalias gravitacionais

Enormes montanhas submarinas são achadas por anomalias gravitacionais
photo_2023-04-04_18-01-39

Pesquisadores oceânicos descobriram quatro montanhas submarinas enormes no Oceano Atlântico, uma delas com 2.681 metros de altura, quase três vezes maior que o Burj Khalifa, o maior arranha-céu do mundo. A identificação foi feita pelo navio de pesquisa Falkor (too) no mês passado, quando ia de Golfito, na Costa Rica, até Valparaíso, no Chile.

8 curiosidades sobre as profundezas do oceano Qual é a profundidade máxima de um oceano?

O achado vem de outra descoberta ainda em novembro de 2023 pelo mesmo navio, pertencente ao Schmidt Ocean Institute, que esbarrou em uma montanha de 1.600 metros (duas vezes o Burj Khalifa) no fundo das águas internacionais próximas à Guatemala. Já os quatro montes mais recentes medem entre 1.591 metros e 2.681 metros.

Mapeando o fundo do mar

A localização dos enormes picos submarinos foi revelada ao medir anomalias gravitacionais pelo mar. Estruturas geológicas nas profundezas exercem um pequeno efeito na superfície do mar — uma trincheira profunda causa uma leve depressão nas águas, enquanto um grande monte acaba fazendo uma “bolha” convexa na superfície.


Podcast Porta 101: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.

O Falkor (too) navegando em alto mar — foi este navio que encontrou as montanhas submarinas (Imagem: Schmidt Ocean Institute)

Geralmente, montes submarinos possuem escarpas muito íngremes e são restos de vulcões extintos, o que faz com que se tornem grandes abrigos para a biodiversidade, providenciando superfície, alimento e nutrientes. Achá-los revela muito sobre a vida na Terra, e é um dos aspectos que faz a equipe do Schmidt Ocean Institute buscá-los e estudá-los.

Montanhas submarinas podem ser enormes — em termos técnicos, a maior montanha do planeta é a Mauna Kea, no Havaí— um vulcão submarino dormente com 10.210 metros de altura, contra “apenas” 8.849 do Everest.

Desde 2012, o Schmidt Ocean Institute já mapeou 1,44 milhões de km² do fundo do mar, quase 25% de toda sua extensão a uma resolução de 100 metros de profundidade. A equipe espera mapear todo o solo oceânico no final da década, somando 360 milhões de km².

Segundo especialistas, a importância de um mapeamento completo do leito oceânico é muito importante, já que nos ajuda a proteger melhor o planeta e a manejar seus recursos de forma sustentável. O oceano é a “fronteira final” da ciência, e, com cerca de 75% dele ainda a ser descoberto, ainda há muito que aprender com a imensidão das águas.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Apple Vision Pro | EUA reforça atenção no trânsito após vídeo envolvendo headset Os 45 filmes mais esperados de 2024 Brahma Phone: conheça o celular descartável para o Carnaval Testes da dengue | Como funcionam e quando fazer 12 aplicativos antigos que ainda existem e funcionam Espécies inéditas de tubarão primitivo são encontradas em cavernas  

Posted in ,
bannerrsm

photo_2023-04-04_18-00-57
Rolar para cima
× Como posso te ajudar?