“Ação insensata” de “minoria irresponsável”, diz Pacheco sobre plano de golpe e prisão

“Ação insensata” de “minoria irresponsável”, diz Pacheco sobre plano de golpe e prisão
photo_2023-04-04_18-01-39

[[{“value”:”

O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), classificou como “ação insensata encabeçada por uma minoria irresponsável” o plano de golpe de Estado que também previa a prisão de diversas autoridades, inclusive ele.

Pacheco ainda afirmou que cabe à Justiça continuar com as investigações para elucidar todo o caso.

Leia Mais

PF encontra suposto ouro durante buscas contra presidente do PL

Registro vencido de arma está no nome do filho de Valdemar Costa Neto

Reunião comandada por Bolsonaro revela arranjo de dinâmica golpista na alta cúpula do governo, diz Moraes

“Ação insensata encabeçada por uma minoria irresponsável, que previa impor um Estado de exceção e prisão de autoridades democraticamente constituídas. Agora, cabe à Justiça o aprofundamento das investigações para a completa elucidação desses graves fatos”, diz nota de Pacheco divulgada nesta quinta-feira (8).

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que a descrição pela Polícia Federal (PF) da reunião convocada e comandada pelo então presidente Jair Bolsonaro (PL) em julho de 2022 revela o arranjo de dinâmica golpista no âmbito da alta cúpula do governo.

O ministro diz que todos os investigados que participaram da reunião tomaram parte no sentido de validar e amplificar a massiva desinformação e as narrativas fraudulentas sobre as eleições e a Justiça Eleitoral lançadas e reiteradas contra Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e contra ministros do STF e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Moraes sustenta que a potencialização do processo de propagação de desinformação para gerar descrédito contra o processo eleitoral brasileiro também contou com a participação de diversos outros investigados.

Ao todo, são 33 mandados de busca e apreensão, quatro de prisão preventiva e 48 medidas cautelares.

De acordo com as investigações, havia uma minuta de golpe de Estado que previa prender o ministro Gilmar Mendes, do STF, e o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco.

O ex-presidente Jair Bolsonaro teria ajustado a minuta apresentada a ele e retirado os pedidos de prisão de Gilmar Mendes e de Rodrigo Pacheco.

Até o momento, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), não se manifestou sobre a operação da Polícia Federal desta quinta.

Este conteúdo foi originalmente publicado em “Ação insensata” de “minoria irresponsável”, diz Pacheco sobre plano de golpe e prisão no site CNN Brasil.

“}]] 

Posted in ,
bannerrsm

photo_2023-04-04_18-00-57
Rolar para cima
× Como posso te ajudar?