Colapso de mina em Maceió: Lira pede recursos e edição de MP para atender cidade

photo_2023-04-04_18-01-39

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou, nesta sexta-feira (1º), que solicitou a disponibilização de recursos e a edição de Medida Provisória (MP) para garantir atendimento aos moradores de Maceió em meio à crise envolvendo uma mina da Braskem na capital alagoana.

“A grave crise ambiental, humana e estrutural em Maceió precisa de um amparo urgente do governo federal. Solicitei aos órgãos responsáveis a viabilização de recursos e a edição de Medida Provisória que garantam à prefeitura de Maceió condições de atendimento aos moradores atingidos e de empreender ações para combater o problema gerado pela exploração do sal-gema”, escreveu Lira.

No início da tarde desta sexta, o ministro de Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, afirmou à CNN que havia acabado de fazer o reconhecimento sumário da situação de emergência na capital alagoana.

A partir desse reconhecimento, o governo federal deverá liberar recursos para auxiliar o município.

A grave crise ambiental, humana e estrutural em Maceió precisa de um amparo urgente do governo federal. Solicitei aos órgãos responsáveis a viabilização de recursos e a edição de medida provisória que garantam à prefeitura de Maceió condições de atendimento aos moradores [+]

— Arthur Lira (@ArthurLira_) December 1, 2023

Governo trabalha para não haver perdas de vidas, diz ministro à CNN

O ministro dos Transportes e ex-governador de Alagoas, Renan Filho, que está em Maceió junto a outras autoridades públicas, declarou à CNN nesta sexta-feira que o foco do governo federal e das autoridades públicas, no momento, é evitar “perdas de vidas humanas”.

“Nós estamos trabalhando aqui neste momento para que não haja perdas de vidas humanas. A gente precisa garantir isso. Esse é o trabalho que vem sendo feito ao longo dos últimos anos”, disse o ministro.

“A exploração de minério aqui ocorre a 1.200 metros, em média, de profundidade. É uma coisa muito complexa de ser avaliada. Esse é um desastre raro em áreas urbanas – mesmo mundo afora, é bastante raro esse tipo de colapso de minas de exploração mineral”, acrescentou Renan Filho.

Ainda conforme o ministro, “ao longo dos últimos anos todos, desde 2018 para cá, várias providências do governo federal, do governo do Estado e mesmo da prefeitura de Maceió vêm sendo tomadas, a fim de evitar que o colapso de uma dessas minas possa levar pessoas à morte”.

Diante da situação, ele defendeu que se instale uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a atuação da Braskem.

“Uma empresa da proporção da Braskem é detentora de um conhecimento muito específico acerca desse acidente. E ele precisa ser socializado: para a imprensa, para as pessoas que moram na capital; os entendimentos que foram feitos; os contratos precisam ser apresentados; o ritmo do cronograma precisa ficar claro que não pode ser acelerado e por qual motivação, e, se pode, acelerar, para que essas minas não entrem em movimento. Então, nós defendemos que toda fiscalização é necessária e a CPI é fundamental”, argumentou Renan.

Risco iminente de colapso

A Defesa Civil de Maceió afirmou nesta sexta-feira (1º) que a área ao redor da mina 18 da Braskem, que está em risco iminente de colapso, está afundando em uma velocidade de 2,6 centímetros por hora.

Em nota, o órgão informou estar em “alerta máximo” e que o deslocamento vertical acumulado na área da mina é de 1,42 metro.

Leia Mais

Colapso de mina em Maceió: solo em área afetada afunda 2,6 cm por hora, diz Defesa Civil

Estamos trabalhando para não haver perdas de vidas humanas, diz ministro sobre mina da Braskem em Maceió

Colapso de mina em Maceió: Justiça intima Braskem sobre ação de R$ 1 bi por afundamento de solo

Mais cedo, o prefeito João Henrique Caldas, o JHC (PL), afirmou à CNN que, em alguns momentos, o afundamento chegou a 5 centímetros por hora.

Segundo comunicado da Defesa Civil, a recomendação é que a população não transite na área desocupada até uma nova orientação, enquanto medidas de controle e monitoramento são aplicadas para reduzir o perigo.

A equipe de análise da Defesa Civil ressalta que essas informações são baseadas em dados contínuos, incluindo análises sísmicas. O órgão reitera a recomendação de evitar a área desocupada do antigo campo do CSA por questões de segurança.

O que diz a empresa

Em nota divulgada nesta sexta, a Braskem diz que “continua mobilizada e monitorando a situação da mina 18” e “tomando todas as medidas cabíveis para minimização do impacto de possíveis ocorrências”.

“Os dados atuais de monitoramento demonstram que a acomodação do solo segue concentrada na área dessa mina e que essa acomodação poderá se desenvolver de duas maneiras: um cenário é o de acomodação gradual até a estabilização; o segundo é o de uma possível acomodação abrupta”, acrescenta a companhia.

A empresa diz ainda que “a área de serviço da Braskem nas proximidades da mina 18 está isolada desde a tarde de terça-feira. Ademais, a região onde está localizada referida mina (área de resguardo) já está totalmente desocupada desde 2020”.

A Braskem acrescenta que “a extração de sal-gema em Maceió foi totalmente encerrada em maio de 2019, e a Braskem vem adotando as medidas para o fechamento definitivo dos poços de sal, conforme plano apresentado às autoridades e aprovado pela Agência Nacional de Mineração (ANM). Esse plano registra 70% de avanço nas ações, e a conclusão dos trabalhos está prevista para meados de 2025”.

*Com informações de Bianca Camargo, Carolina Figueiredo, Renata Souza, Thiago Vinicius, da CNN, em São Paulo

Este conteúdo foi originalmente publicado em Colapso de mina em Maceió: Lira pede recursos e edição de MP para atender cidade no site CNN Brasil.

 

Posted in ,
bannerrsm

photo_2023-04-04_18-00-57
Rolar para cima