Ataque a silos nucleares dos EUA causaria milhões de mortes

Ataque a silos nucleares dos EUA causaria milhões de mortes
photo_2023-04-04_18-01-39

Pesquisadores da Universidade de Princeton estimam que um ataque aos silos nucleares dos Estados Unidos resultaria em até dois milhões de vítimas, além de colocar 300 milhões em risco. A equipe lançou um projeto com um mapa interativo para ilustrar os danos causados por um eventual bombardeio à chamada “esponja nuclear”.

Como funciona a bomba atômica? Quem criou a bomba atômica?

Durante dois anos de investigações, os pesquisadores do Centro de Ciência e Segurança Global (SGS), da Escola de Assuntos Públicos e Internacionais de Princeton, reuniram informações em uma série de artigos na Scientific American, além de podcasts, fotografias e um documentário sobre o tema.

O projeto, intitulado The Missile on our Land, também usa simulações de computador de última geração para estimativas dos impactos que um ataque aos silos causariam. Um dos focos deste extenso trabalho é revelar os riscos que as comunidades mais próximas estão expostas.


Podcast Porta 101: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.

Esponja nuclear nos EUA

Existem 450 silos de mísseis intercontinentais localizados nos estados dos EUA Dakota do Norte, Montana, Colorado, Wyoming e Nebraska. Eles foram construídos na década de 1960 pela Força Aérea, não com a intenção de serem lançados contra algum adversário, mas sim para serem destruídos no solo.

A estratégia, chamada por especialistas de “Esponja Nuclear”, visa espalhar um grande arsenal pelo território para “atrair” o ataque inimigo. Em caso de guerra com a União Soviética, os adversários seriam forçados a bombardear essas áreas para evitar um contra-ataque devastador.

Simulação dos impactos causados por ataques nos silos da “esponja nuclear”, que estão indicadas pelos pontos esverdeados (Imagem: Reprodução/Svitlana Lavrenchuk/Sebastien Philippe/Ivan Stepanov/The Missiles on our Land)

Cada um desses mísseis, apelidados de Minuteman III, transporta uma carga nuclear várias vezes mais poderosa que a bomba de Hiroshima. As regiões “esponjas nucleares” são pouco habitadas e a tática evitaria ataques às grandes cidades — claro, com o sacrifício dos habitantes desses territórios. Mas o problema vai além: as consequências se espalhariam por muito mais lugares do que se imaginava.

Nada disso é segredo e o debate é de longa data, mas ganhou ainda mais repercussão após a decisão do governo estadunidense de atualizar o arsenal. A operação vai custar 200 bilhões de dólares e as armas nucleares vão estar instaladas nesses mesmos silos até pelo menos 2070.

Impacto dos ataques nucleares

Dados meteorológicos ajudaram a calcular a precipitação radioativa no país, caso os silos de mísseis fossem atacados por armas nucleares. Eles revelaram que os efeitos seriam sentidos durante todo o ano não só nos Estados Unidos, mas também no Canadá e México.

Tambores de resíduos armazenados do lado de fora da fábrica vazaram o equivalente a 5.000 galões de óleos em materiais contaminados com plutônio, amerício e urânio, entre 1958 e 1967, sem que moradores locais fossem informados sobre o incidente. Os pesquisadores apontam fato histórico como alerta sobre a atualização do arsenal (Imagem: Reprodução/Department of Energy)

As estimativas são de que um ataque pode resultar na morte de 1 milhão a 2 milhões de pessoas ao longo de um ano, “assumindo que consigam abrigar-se com comida e água durante muitos dias”. Por outro lado, o estudo não considera danos às infraestruturas e contaminação de água e alimentos.

No total, a população que poderia estar em algum nível de risco é de 300 milhões de pessoas na América do Norte.

Risco aos povos nativos

Ella Weber, integrante do SGS, pertence às Três Tribos Afiliadas (ou nação Mandan, Hidatsa e Arikara), da reserva Fort Berthold, no centro de Dakota do Norte. Esta é a única comunidade nativa americana oficialmente reconhecida como “hospedeira” de mísseis nucleares.

A construção dos silos nessa reserva aconteceu no início da década de 1960, alguns anos após esses povos serem obrigados a se mudarem para lá. Na época, a área não era mais considerada parte da reserva, mas isso mudou após uma resolução de 1972, quando os silos já estavam concluídos. Assim, as Três Tribos Afiliadas ficaram “presas” ali, na esponja nuclear.

Mapa da reserva Fort Berthold, lar das Três Tribos Afiliadas e de onde quinze silos de mísseis nucleares (Imagem: Reprodução/Svitlana Lavrenchuk/The Missiles on our Land)

Weber visitou os silos e divulgou sua pesquisa em um podcast, com objetivo de refletir sobre o passado, o presente e o futuro dos mísseis nas terras de seu povo. “Eu queria aprofundar a história dos mísseis e a política e estratégia nuclear dos EUA para colocar os mísseis nas nossas terras e mantê-los lá”, disse.

Este trabalho é feito com um grupo de estudantes nativos americanos de Princeton. “As pessoas da tribo gostariam que mais informações fossem compartilhadas com elas sobre os mísseis nucleares, o próximo programa de modernização, os perigos que isso cria e o que pode ser feito”.

Além das publicações online do The Missiles on our Land, três artigos do projeto vão aparecer na edição impressa de dezembro da revista Scientific American.

Leia a matéria no Canaltech.

Trending no Canaltech:

Ayrton Senna tinha uma coleção de carros incríveis Madame Teia | Quem é o vilão do filme e o que ele nos diz sobre a história 7 filmes que tiveram acidentes nos bastidores 10 melhores SUVs para comprar com até R$ 70 mil O céu não é o limite! | Sol em 2024, bolsa perdida no espaço, Marte e+ O núcleo da Terra está vazando, segundo análise de rochas canadenses  

Posted in ,
bannerrsm

photo_2023-04-04_18-00-57
Rolar para cima
× Como posso te ajudar?